17 de jun de 2011

revirada

olhar o mundo de cabeca para baixo. Como se equilibrar quando tudo esta em outro angulo. Nao e preciso tanta forca, nao e preciso tanto esforco, e so enxergar de outra maneira. Eu que sempre estive com as bases firmes no chao, pronta para saltar ou me equilibrar em uma sapatilha pronta por piruetas. O desafio esta ai, olhar ao contrario. Buscar essa tranquilidade do outro lado , eu sei e preciso encaixe, concentracao.Pisar no novo ou nao pisar, da medo.
Meu corpo hoje acordou em pedacos. Tenho a sensacao que meus orgaos, musculos e ossos, tudo esta em outro lugar. Como se alguem com grandes maos amaciasse uma carne que estava dura, sempre na primeira posicao. Me sinto mole e fora de estrutura, apesar de nao conseguir dobrar as pernas para me sentar.
Um movimento que parece tao leve e para mim exige tanto esforco. Entortei as pernas, mas senti meu corpo vivo, energia pulsando ate as 22 da noite.
Na parada de onibus as 18:00, minha visao estava turva ainda... Aquela sensacao de estar com a cabeca para baixo me seguiu o dia todo. Enxergava minhas alunas em outro tempo, as pessoas todas estavam em outra densidade, com outro peso. Tudo flutuava, nada era firme. Mas como deixar a base firme, se meus pes estao no alto e minhas maos estao no chao . Minha cabeca e meu pescoco suspensos.
Arriscar, aceitar o desequilibrio como parte do equilibrio. Assumir, cair, se jogar e rolar nesse lugar que machuca, que mata nossas raizes, que desconstroi. Nao existe lugar certo, a cabeca nao tem que ficar sempre em cima do pescoco e nem os pes tem que estar sempre no chao.

sem correcoes
Audrey II

Juras em Junho

Juras em Junho 24/5/2005 05:37
Outro dia estava eu pintando algo que me pareceu cubista, quando derrepente
o som ligou sozinho e começou a tocar o nosso querido ALFRED LESLIE aquela
composição:"Jack-in-the-box". A dita cuja.
A composição que acharam após sua morte atrás do piano...sabem? Pois bem, eu

naquele orgasmo pleno de sentimentos extra-sensoriais me deitei e comecei a
viajar.

E não é que o cara apareceu do meu lado? Juro! Aquele velinho com cheiro de
livros velhos e vinho avinagrado.Estava na minha cama, do meu lado,nào falei

nada. Absolutamente. Tão pouco ele. Ficamos lá só ouvindo sua composição e
admirando as profundezas existentes em nossa memória. Foi isso. ao acabar a
música ele disse:
Bom pra Caralho e foi nessa...

6 de jun de 2011

Para Collete

Para Collete
Encontro os pequenos prazeres diarios. Sem voce, e dificil, mas eles existem. Saindo da sua casa ontem, vendo seu rosto cheio de magoa e rancor eu pensei : porque ela faz isso? Como se um mar estivesse sempre dentro dela, cheio de ondas arrebatadoras de lembrancas que atormentam seus olhos, seu corpo nu. Nao consegui te transformar, e isso e bom e ruim para voce e para mim. Que responsabilidade louca essa de voce transformar alguem, quase uma responsabilidade tiranica.Porque as coisas se transformam por si so. A natureza tem essa forca, a gente nao precisa fazer nada. O tempo cura tudo...nao sei, na verdade. Acho que o tempo constroi e desconstroi nossas historias, nada tem um fim, nada se cura, e ai e que esta a beleza. Eu sou uma pessoa desapegada, nasci assim, eu sei. Interpreto pelo prazer de descontruir, e pelo prazer de saber que nada e realmente como pensamos. Pensar por todos os angulos, me deixa cheia, cheia de mim, porque eu nao sou nada.
Nao sou PORRA nenhuma , nao sou uma mulher linda, nao sou o que todos querem, nao sou a perfeicao. Posso aparentar isso para as pessoas.
Ontem, ele magro, e de oculos saiu da sua casa logo depois de mim, e disse: Ela me deu um pe na bunda ja, e eu sofri tambem, e foda. E eu respondi: Nao, a culpa nao e dela , nem de ninguem. Eu entendo o seu desespero, ela e egoista e tem medo, assim como eu. Ela nao e minha, e eu nao sou de ninguem.Vou morrer sozinha,mas cheia de tudo tambem. E ele disse : Nossa eu queria ter a sua maturidade emocional, eu entendo tudo o que voce fala so que racionalmente, nao consigo sentir assim.
Nao, nao sou fria, talvez eu seja CRUA
Lembra quando voce me disse que eu era ingenua. Nao , eu nao sou ingenua, sou crua. Eu flutuo entre os momentos , unicos, que me fazem a cada momento como um bloco de paginas em branco, e a cada pagina estou pronta para ser desenhada,cuidada, amada, amassada, estuprada e jogada fora.E essas paginas vao sendo viradas pelas pessoas, pelo mundo, por mim, pelas minhas maos CRUAS.
Ontem eu fui na fonte, e vendo a forca da agua, lembrei da nossa viajem para o rio. Foi um caixote.E a agua e tao pura, deliciosa, perfeita, fragil, mas dura e forte. Acho que voce pode nao me amar, ou as vezes ate me odiar, ou ate se assustar. Eu te causo conflito, assim como eu causei em todas as pessoas que me relacionei. O problema e pensar: Como essa menina, consegue aguentar, toda a rejeicao, toda a provocacao, toda forma de fazer dor e se portar como algo intocavel, perfeito que nao se quebra?
Seu sonho era me ver quebrar, a perfeicao e ruim , incomoda.
Todos acham que nao quebro, como uma boneca de plastico, uma boneca barbie. Ja digo, isso e mentira, eu quebro e ninguem nunca percebe. Quando quebro nao preciso espatifar no chao com sons estridentes, estou mais para uma boneca de papel, livre que nao faz questao de gritar e sim voar.
A liberdade tambem assusta, eu sei. Desejamos tanto a liberdade, mas no fundo lutamos para estar protegidos, presos a algo que nunca vai nos deixar. Essa liberdade confunde, mas de fato e a unica coisa que temos.
Eu nunca vou estar no corpo de ninguem ( mas se pudesse fazer um pedido para genio do aladim seria: Por favor , eu quero entrar dentro do corpo daquela pessoa, da sua mente, eu quero conhecer. De nenhuma pessoa em especial, mas de todas.) Talvez seja essa minha tentativa de vida, e como sei que de fato nunca vou conseguir , acabo como uma atriz.
O caderno do meu corpo guarda suas lembrancas e todas as paginas escritas de forma especial e cruel. E anseia por paginas novas, e sem esperar nada delas, nem fisicamente, nem sentimentalmente, nem por telefone, nem pelo seu desprezo, ou esquecimento. So espero, CRUA.

Audrey II
* sem correcoes

29 de mai de 2011

Sensitivo

A casa do Pedro


29/05/2011
A casa do Pedro


Um quarto.Um quadro.Tres crianças correndo na lama nojenta, varias fugas.Um longo caminho, aprisionadas por uma moldura clean. A casa cheia de instrumentos: um sax, uma sanfona jogada embaixo da mesinha central e o quadro dessas três crianças. Onde elas estavam? Tanta dor nos pés, dor espalhada pelos cantos.Tudo espalhado pela casa. O discurso também estava. Matemático, no piano refletia todo o corpo dela. Os cabelos desgrenhados, a voz rouca e grave, o olhar perdido sempre, muito azul.A cumplicidade para encontrar o tom certo.Sentado,um deles tocando um violão – que acho que nunca poderia comprar, nem com a minha poupança - uma musica gostosa. As vezes eu fico pensando e pensando.
“Pode manter,vai Pedro na mesma melodia. Não , não dobra, dobra Pedro. É... Deixa o bigode solar... Sola bigode...”
Mais um chegou. Camiseta vinho,barbinha mal feita, e um jeitinho de “Los Hermanos’.
A janela da casa era de andaimes.Eu queria olhar para tudo.Nada de repertorio, nada de bebida. E ela cantava melodias e tchurururutchuruuu ...meio Amy, meio Aretha, meio tudo. Ela falava : “Que tal?” e todos diziam “Oi?”.
Baile da terceira idade? Eu adorava ! Como em um musical o vento soprou alegria, Blue Moon,uma tarde gostosa, um apartamento limpo, novo e caro, todas as coisas caras. Eu poderia começar a sapatear ali mesmo. Uns olhavam com desprezo, outros com admiração,outros com tesão. E ela forçava para tentar sentir algo por eles mas não se reconhecia. Um samba adentra o corpo como uma arrevoada de pássaros – e do samba um funke. Ele era hiper ativo,hiper verborrágico, hiper tenso,hiper sensível.hiper só.Será que ele se sentia como? Eles estavam muito bem. Sem erros. Dimitri parecia um daqueles grandes heróis de filme épicos, mas era fofinho.
Não tem como fugir do seu passado. Não tem como fugir de onde você nasceu, da sua terra, sua raiz.

Do lado de fora

29/05/2011
Do lado de fora

Um tapete e um espaço minúsculo para se movimentar. Ela sentada no sofá me comia com os olhos. Fixada nas minhas pernas e do jeito que a musica saía de dentro do meu corpo. Eu me aproximo entre baterias e notas. Vários beijos e um vestido, escorrego pelo meio de suas pernas e ouço bigode falando “ Humm.. pode continuar”.
A gente sai.
O som abafado pela porta de madeira e a luz quadriculada de fim da tarde rebatida pelos cobógos de um apartamento seiscentista.
Com os pés no chão e corpo quente ela subiu todos os babados do meu vestido de renda e flores laranjas, puxou minha calcinha molhada e me fudeu. Apesar de tentar me controlar sempre, abracei a causa e nem pensei se o porteiro lá embaixo estava vendo tudo por alguma câmera escondida. O som escondido do outro lado e o sussurro da gente queimando as paredes frias, o extintor de incêndio gelado, rígido que teimava encostar em sua pele sardenta. Da parede pro chão, escorregamos. Eu sentada e ela deitada olhando pelas frestas de luz “Ai eu devia estar com a câmera, ta lindo... a luz ... ta perfeito, os cobógos” ria,chorava, desabava.

Preso no armário

30/05/2011
Preso no armário

O que é meu é meu!
Ninguém toma o que é meu! Faz parte de mim, está aprisionado no meu armário. Só eu posso sentir, só eu posso usar. As pessoas só poderão admirar no meu corpo, no meu jeito. Eu não empresto! Se o empréstimo valer à pena, eu penso. Eu decido se você vai usar ou não. Tem que me pedir. As coisas quebram estragam. Mas só eu posso estragar!
Às vezes é uma merda dividir. Odeio pensar coletivamente. Um dia desses meu pai me disse: “O que é seu é seu, ta guardado. Sem egoísmo não vivemos”. Ouço essa frase e penso: “Existe o que é meu? Esse meu de fato será estático?”. Usamos as pessoas como usamos os objetos. Os perfumes, os sapatos, as roupas...como se comprássemos.
Será que existe um lugar onde tenha um baú? Com o que há de mais raro, onde todos podem desfrutar de tudo, com cuidado e devolver para o baú, se não devolver, pratiquemos o desapego. A gente não leva nada! Aquele casaco azul parecia que eu estava roubando. Roubando seu amor, roubando a sua esperança de vê-lo, a sua segurança de ir viajar para o outro lugar do mundo e encontrá-lo. O mesmo. Tem que ser o mesmo. O meu homem, que me deu aquele casaco que não muda. Seria tão confortável para nós se as pessoas fossem como objetos. “Eu compro outro igual, não tem problema. Tudo foi solucionado. É um casaco azul de tamanho M com o botão azul mais claro e blá, blá, blá...” Não é que eu não entenda o valor simbólico das coisas. Das raridades que nos são dadas. Entendo até a mesquinhez de não dividir e possuir vários bens, o meu bem. Mas na verdade, você não possui nada. Nem o controle do seu corpo. Você chora, ri, grita, sem saber por quê. Eu quero morar nessa terra do baú. Onde tudo e meu, é seu, é nosso, é nada e é tudo em algum momento. Quando perdemos o que é nosso. Perdemos o referencial. O que é meu é tão importante para mim – por que me reconheço. Eu reconheço que sou. Eu me perco sem você. Estou num descampado com céu azul em uma borracharia de banquinha, um lugar ermo. Um senhor de bonezinho verde, pequeno, barbudo. A sua barba é bem branca. Ele não têm conta e a banca não é dele. É da rua. Mas ele sabe o que não têm. Talvez essa seja a maneira dele se reconhecer no mundo.

Acabei de perder minha caneta,engraçado. Eu filosofando sobre posses e perdas e perco minha caneta! Objeto que me faz ser. Ser algo, alguém, para não enlouquecer. Eu parei e falei “ Não escrevo então, observo” . Possuo o pensamento, o que não e matéria, que vai flutuar, transitar e não parar na minha cabeça. Vai voar com o vento, ate perder-se no meio do céu sem nuvens.

Buscamos o reconhecimento o tempo inteiro.

Rio

07/03/2011
Saindo do café armazém.

No caminho do arpoador vimos vários surfistas, deslizando nas ondas, como bailarinas. As ondas eram perfeitas e formavam círculos que explodiam. O mar fazia um som que arrastava. Tinha um surfista que pegava todas as ondas. Ele era bom, era unico, sem roupa de surfar, só estava de Bermuda desprendido. Ficamos horas sentadas num banquinho de Madeira em frente ao arpoador. Uma luz fria de sol, o dia nublado, mas uma vista Linda. Andamos pela areia com um guarda chuva quadriculado, ela parecia uma criança. Mergulhava em todas as ondas, era puxada.
Caminhando ate o metro encontramos o bar da rosa, que tanto procuramos, na verdade era o sindicato do arpoador.
Duas batidas e maracujá e partimos para a Lapa.